Seminários - Colóquios - Conferências
Seminários, Colóquios e Conferências
A Divisão de Astrofísica do INPE organiza, semanalmente, seminários que são apresentados no auditório do IAI (INPE), nas terças-feiras às 15:00h. Acontecem também seminários especiais, que podem ter datas e horários distintos dos estabelecidos.
Relação de Seminários para o ano de 2006.
Informações: (12) 3208-7220

SEMINÁRIOS
MARÇO
07/03 Dr. Marian Karlický Ondrejov Observatory Astronomical Institute Academy of Science of the Czech Republic
 
ABRIL
04/04 Dr. Fernando Virgilio Roig ON/MCT
 
MAIO
09/05 Dr. Francesco Labarbera Observatório de Capodimonte – Nápoles-Itália
16/05 Dr. Gabriel Rodrigues Hickel UNIVAP
23/05 Dr. Ignacio de la Rosa IAG/USP e IAC - Espanha
30/05 Francesco Labarbera Observatório de Capodimonte-Nápolis-Italia
 
JUNHO
06/06 Dr.Amancio Friaça IAG/USP
20/06 Dr Francisco Jablonski DAS/INPE
29/06 Roberto Cid Fernandes Junior Universidade Federal de Santa Catarina
COLÓQUIOS
MARÇO
Data Título Seminarista Instituição
14/03 Dr. Augusto Damineli IAG/USP
21/03 Dr. Hugo Vicente Capelato DAS/INPE
28/03 Dr. Horacio Dottori UFRGS
 
ABRIL
11/04 Dr. João Evangelista Steiner IAG/USP
20/04 Dr. Carlos Alexandre Wuensche de Souza DAS/INPE
25/04 Dr Sylvio Ferraz IAG/USP
SEMINARISTA: Dr. Marian Karlický
DATA: 07/03/2006
LOCAL: Sala 90/CEA
HORA: 15h

TITULO: Radio and X-ray diagnostics of the solar flare reconnection

RESUMO: First, high-frequency slowly drifting pulsating structures are interpreted as radio emissions of electron beams accelerated in the magnetic reconnection volume and injected into magnetic islands (plasmoids). Then, the time evolution of plasma parameters (density, magnetic field etc.) in a 2-D MHD model of solar flare reconnection is computed numerically. Assuming plasma radio emission from locations where the "double-resonance" instability generates upper-hybrid waves due to unstable distribution function of suprathermal electrons, the radio spectra and spatial source structures in the reconnection region are modeled. By comparison of the modeled and observed spectra a remarkable similarity has been found between the computed narrow-band emission and the observed lace bursts. Finally, a new diagnostics of the reconnection process is proposed.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Augusto Damineli - IAG/USP
DATA: 14/03/2006
LOCAL: Sala 90/CEA
HORA: 15h

TITULO: O que seria de nós sem as grandes estrelas?

RESUMO: FA física estelar deu uma espinha dorsal para a Astronomia do século passado, permitindo medir distâncias, aferir a idade do Universo, decompor a luz das galáxias em populações estelares, avaliar o ritmo da evolução química. O sucesso dos modelos se baseou na sua simplicidade: poucos parâmetros e alto grau de equilíbrio gravitacional e termodinâmico. Embora esse quadro só seja válido para estrelas pequenas, elas são a imensa maioria e há alguns anos atrás, parecia que todos os grandes problemas nessa área estavam resolvidos. Por que gastar tempo com as grandes estrelas, que além de complicadas são raras? Muito mais abundantes nos primórdios da Galáxia, elas tiveram enorme impacto em sua evolução dinâmica e química. Tudo o que se vê em galáxias muito distantes é a luz integrada de populações de estrelas de grande massa. Para interpretar essas machinhas de luz são necessários modelos para estrelas luminosas e eles são tão mais precários quanto maior a massa. Uma "receita" de sucesso para estrelas massivas deve incluir: perda de massa, afastamento do equilíbrio termodinâmico, pressão da radiação, rotação. Eles são críticos para definir a trajetória evolutiva da estrela, sua duração e seus produtos finais: supernova ou hipernova/GRB, estrela de nêutrons ou buraco negro. Mais que isso, eles determinam o próprio limite superior para a massa estelar, antes atribuído ao limite de Eddington. Essa nova física estelar já começa a apresentar resultados excitantes, bastante diferentes do que se podia extrapolar a partir de estrelas pequenas.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Hugo Vicente Capelato - ON/MCT
DATA: 21/03/2006
LOCAL: Auditório IAI
HORA: 15h

TITULO: Leis de escala dos sistemas estelares

RESUMO: A astrofísica entende por sistema estelar aqueles sistemas de muito corpos – estrelas (e planetas), gás, matéria escura - cuja evolução é regida essencialmente pelas forças de gravitação. Desconsiderando fases transientes, tais como os períodos de formação ou de interação com outros sistemas, a grande maioria das estruturas que observamos no Universo encaixa-se nesta descrição, e isto em escalas que abrangem desde os sistemas planetários, passando pelas estrelas binárias, os aglomerados estelares, até as galáxias, os sistemas binários de galáxias, os grupos e os grandes aglomerados de galáxias que são, provavelmente, as maiores estruturas em equilíbrio no Universo. Buscamos uma descrição global destes sistemas. As perguntas são: o que fundamentalmente rege seu equilíbrio e qual a origem das configurações que observamos? Iremos mostrar que uma formulação baseada unicamente no Teorema do Virial, mas que explicite a contribuição da componente dinamicamente mais importante destes sistemas, a matéria escura, é capaz de explicar grande parte das propriedades gerais dos sistemas estelares encontrados no cosmos. Restam, no entanto, alguns detalhes que devem ser atribuídos a outras forças além da gravitação: os fenômenos dissipativos, que ocorrem pela ação do eletromagnetismo, sobretudo nas fases iniciais de formação dos sistemas, devem ser evocados para completar a descrição.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Horácio Dottori - UFRGS
DATA: 28/03/2006
LOCAL: Auditório IAI
HORA: 15h

TITULO: Formação estelar e atividade nuclear em Galáxias: Um casamento paradoxal

RESUMO: O telescópios com grande resolução angular permitiram estudar detalhe sem precedente a região central das galáxias mais próximas. Dois aspectos fundamentais podem ser aprofundados a zonas da ordem das dezenas de parsecs na região nuclar das galáxias: A- a cinemática e B- as populações estelares. Neste colóquio discutiremos os casos das galáxias NGC 1241 e M 83, como exemplos paradigmáticos. No primeiro apresentamos o detalhamento da sua cinemática na ordem de centenas de parsecs, e a descoberta do braço estelar bem como das suas ressonâncias em conexão a um anel circum-nuclear de formação estelar. Do ponto de vista da formação estelar, a surpreendente detecção de enormes quantidades de estrelas de Carbono em escalas de dezenas de parsecs. No caso de M 83, por ser uma das galáxias mais próximas conseguimos detectar uma estrutura de 3 núcleos nos 100pc centrais, com distribuições de massa que não revela a presença de uma massa pontual a escalas da ordem de 1 pc. Colocamos o caso da região central de M83 em termos da mágica dos três chapéus e a moeda. Perguntamo-nos: qual dos três núcleos alberga o Buraco Negro putativo que existe no centro de todas as galáxias?
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Fernando Virgilio Roig
DATA: 04/04/2006
LOCAL: Sala 90/CEA
HORA: 15h

TITULO: Leis de Escala para a Fragmentação de Asteróides Re-acumulados

RESUMO: Neste seminário apresentamos uma análise das possíveis leis de escala para descrever a fragmentação de asteróides re-acumulados ou rubble-piles, isto é, corpos nos quais as forças de coesão interna são desprezíveis. Estas leis de escala têm sido construídas a partir de simulações utilizando-se o modelo recentemente introduzido por Roig et al. (2003), em que cada asteróide é representads por uma sobreposição de N corpos rígidos de forma elipsoidal que são mantidos unidos apenas pela força gravitacional mútua. Estudamos dois casos básicos: (i) a colisão entre um alvo com estrutura de rubble-pile e um projétil de massa muito menor que a do alvo, e (ii) a colisão entre dois corpos com estrutura de rubble-pile de massas comparáveis Estas simulações produzem leis de escala diferentes, que por sua vez dependem dos diferentes parâmetros do modelo, como velocidade do impacto, número de fragmentos dos alvos, etc. Comparando nossos resultados às leis de escala usualmente citadas na literatura --que descrevem a fragmentação decorrente de uma colisão entre alvos e projéteis monolíticos, e que são baseadas em simulações hidrodinâmicas-- achamos que as energias de impacto típicas necessárias para dispersar mais de 50% da massa do sistema após a colisão são menores que as que predizem as leis de escala usuais. Discutimos as possíveis implicações destes resultados para a evolução colisional dos asteróides."
Topo     
SEMINARISTA: Prof João Evangelista Steiner
DATA: 11/04/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: "O Sistema Paulista de Parques Tecnológicos"

RESUMO: O Sistema Paulista de Parques Tecnológicos prevê a instalação e articulação de cinco parques tecnológicos nas cidades de São Paulo, Campinas, São José dos Campos, São Carlos e Ribeirão Preto. Trata-se de uma iniciativa do Governo do Estado, atravéz da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico, por meio de convênio com a Fapesp, executora do projeto. O objetivo é desenvolver um instrumento de inovação tecnológica que permita transformar conhecimento em riqueza para a sociedade como um todo.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Carlos Alexandre Wuensche de Souza - Divisão de Astrofísica/INPE
DATA: 20/04/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: Astrobiologia – A vida no contexto cósmico

RESUMO: O questionamento sobre a possibilidade de existência de vida como um fato comum no Universo é um dos mais antigos enigmas da humanidade, despertando a curiosidade do público em geral. A ciência que estuda a vida no contexto cósmico é a Astrobiologia, que tem ganhado recentemente o reconhecimento de cientistas de diversas áreas e está sendo usada como um excelente elo de ligação entre as ciências biológicas e exatas. Seu campo de estudos cobre, sob uma perspectiva otimista, a origem, evolução, distribuição e futuro da vida no Universo, agrupando diferentes áreas do conhecimento, historicamente separadas, tais como Astrofísica, Química, Ecologia, Engenharia, Geologia, Biologia, Física, Ciências Planetárias. A partir da década de 90, com os avanços da microbiologia, das ciências planetárias e com a descoberta de exoplanetas, a Astrobiologia passou a atrair a atenção de um grande número de cientistas de diversas áreas do conhecimento e, com essa associação multidisciplinar, pretende-se estabelecer um conjunto comum de ferramentas para tentar entender a origem da vida, as condições necessárias para seu aparecimento e as possibilidades de existência de vida em outros pontos do Universo. Apresentamos neste colóquio um resumo dos assuntos discutidos no I Brazilian Workshop on Astrobiology, sob o ponto de vista da Astrofísica, em particular a busca de exoplanetas e a habitabilidade planetária.
Topo     
SEMINARISTA: Dr Sylvio Ferraz Mello - IAG/USP
DATA: 25/04/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: Sistemas planetários extra-solares

RESUMO: O número de sistemas planetários extra-solares com mais do que um planeta vem aumentando de maneira contínua desde a descoberta do sistema de 3 planetas ao redor de Upsilon Andromedae. O conhecimento da dinâmica desses sistemas é fundamental para que se possa saber como eles evoluiram até o seu estado atual. Vários desses sistemas possuem pares de planetas em órbitas com períodos comensuráveis. Modelos simples de migração planetária (devidas a interação com o disco em que se formaram os planetas) mostram como órbitas de planetas que se formam inicialmente em órbitas circulares evoluem e como as excentricidades são excitadas após a captura na ressonância e sobretudo depois que o sistema atinge o estado dito de corrotação apsidal. Planetas em órbitas de alta excentricidade adjacentes e próximas só podem subsistir se profundamente imersos em uma ressonância de períodos. Se o estado final, após dissipação do disco, é de órbitas cuja razão de períodos tem valores maiores, entre 5 e 30, nenhuma ressonância importante é cruzada e não há captura em ressonância. O regime de movimento nesses casos é o regime secular com alinhamento dos periastros. Nesses sistemas ocorre uma troca constante de momento angular que faz com que as excentricidades tenham grandes oscilações. Esse estado costuma ser chamado de ressonância secular (ainda que não tenha as características matemáticas de uma ressonência). Os estudos de dinâmica secular mostram que soluções com alinhamento (ou anti-alinhamento) dos periastros são as mais prováveis. Também mostram que no caso de sistemas de planetas não coplanares, a troca de momento angular pode excitar as excentricidades e levar o sistema a uma situação instável. Como exemplos serão considerados os planetas das estrelas GJ 876, HD 82943, 55 Cnc, 47 UMa, Upsilon Andromeda e do pulsar PSR 1257+12.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Francesco Labarbera
DATA: 09/05/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: How does environment affect the internal color profile of early-type galaxies

RESUMO: One of the most debated issues of observational and theoretical cosmology is that of how the environment affects the formation and evolution of galaxies. To gain new insight into this subject, we have derived surface photometry for a sample of 1,950 early-type galaxies belonging to 159 clusters with different richness, spanning a redshift range of 0.05 to 0.25. This large data-set is used to analyze how the color distribution inside galaxies depends on several parameters, such as cluster richness, local galaxy density, galaxy luminosity and redshift. We find that the internal color profile of galaxies strongly depends on the environment where galaxies reside, becoming less steep in richer clusters. Galaxies in poor and rich clusters are found to follow two distinct trends in the color gradient vs. redshift diagram, while no dependence of color gradients on galaxy luminosity is detected both for poor and rich clusters. We discuss these results in the framework of different pictures of galaxy formation and evolution.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Gabriel Rodrigues Hickel - UNIVAP
DATA: 16/05/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: A Procura por Objetos Estelares Jovens de Pequena Massa na Região de Zeta Ophiuchi

RESUMO: Neste seminário eu apresento os resultados finais de uma análise de fontes no infravermelho próximo, dentro de uma área de 24 graus quadrados na região de Zeta Ophiuchi. Esta região apresenta algumas poucas nuvens moleculares e está ligada à Associação Estelar do Escorpião Superior. A própria estrela Zeta Ophiuchi é uma O9.5V, que perturba o ambiente em torno de si (ventos e fotoionização), criando condições propícias para a formação estelar de pequena massa. Como a Associação do Escorpião Superior é relativamente evoluída (1 a 10 milhões de anos), procuramos prinicpalmente por estrelas TTauri, ainda com discos. Para tanto, utilizamos o catálogo 2MASS e efetuamos a separação inicial dos candidatos nos diagramas cor-magnitude e cor-cor. Eliminamos objetos não puntuais (pela análise de imagens) e reconhecidamente com características de gigantes vermelhas (através de outros catálogos). Totalizamos 147 candidatos a objetos estelares jovens, para futura confirmação espectroscópica, dos quais 5 mais brilhantes foram observados no LNA.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Ignacio de la Rosa
DATA: 23/05/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: Porque estão se apagando as galaxias?

RESUMO: Studies of the global star formation rate show a decline of a factor 3-10 since the peak of star formation at z = 1-2. Possible explanations can be summarized into two alternative hypotheses: (1) The down-turn is caused by galaxies running out of a supply of material for star formation, or (2) it is driven by the growth of the mass structure of the Universe and the changing environments of galaxies. Although, several mechanisms have been proposed to quench the star formation in galaxies, they are only viable in the environment of the dense clusters. A more global mechanism is needed, because clusters are rare objects, containing less than 10% of the cosmic galaxy population. Recent hydrodynamical simulations point to the merger of galaxies as such a mechanism, because it triggers an AGN feedback that quenches the star formation of the galaxy on a short timescale. In a recent study of stellar populations in galaxies, we have searched for traces of quenched star formation in one of the most favorable environments for mergers, the Hickson Compac Groups, which combine high galaxy densities with low velocities. The results of this study will be discussed and extended to the interpretation of the global case.
Topo     
SEMINARISTA: FRANCESCO LABARBERA – Observatório de Capodimonte – Nápoles-Itália
DATA: 30/05/2006
LOCAL: Auditório IAI
HORA: 15h

TITULO: "The VLT Survey Telescope (VST)- Description of the project and of the INAF-OAC extragalactic survey programs"

RESUMO: The VLT Survey Telescope (VST) is a 2.6m telescope with optical wide-field imaging capabilities, that has been designed to support the ESO-Very Large Telescope (VLT) at the Cerro Paranal site and to perform stand-alone survey projects. The telescope, which has been built up from INAF-Osservatorio Astronomico di Capodimonte (OAC), will be equipped with just one focal plane instrument, OmegaCAM, a 16kx16k CCD mosaic with a field of view of 1 square degree (pixel scale of 0.21''/pxl). Due to its large amount of VST and VLT guarantee time, the INAF-OAC has designed several VST survey projects. I will describe the current status of the telescope as well as the INAF-OAC scientific programs, with particular regard to the VESUVIO and VST-16 extragalactic surveys.
Topo     
SEMINARISTA: Amâncio Cesar Santos Friaça – IAG/USP
DATA: 06/06/2006
LOCAL: Auditório IAI
HORA: 15h

TITULO: Zonas de Habitabilidade na Galáxia e Além

RESUMO: Apresentamos resultados de modelo de formacão galática e de evolucão química de galáxias para determinar zonas de habitabilidade galáctica em uma variedade de ambientes. Discutimos os vários critérios de habitabilidade: presenca de planetas terrestres, formacão de nuvens moleculares,a ocorrência de eventos violentos, como supernovas e Gamma-Ray Bursts. As abundâncias químicas e níveis de radiação são fatores importantes determinando a química protobiótica. Na nossa Galáxia, a região entre um raio galatocêntrico de 2 kpc e o raio solar são as mais hospitaleiras.Entre os diversos ambientes galácticos, os discos de grandes espirais são mais habitáveis do que, por exemplo, galáxias elípticas e galáxias anãs. Discutimos a limitacão de critérios de habitabilidade centrados na Terra.
Topo     
SEMINARISTA: Dr. Francisco José Jablonski - Divisão de Astrofísica/INPE
DATA: 20/06/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: O ambiente na região do Centro Galáctico

RESUMO: Revisamos as principais características do ambiente na região do centro galáctico enfatizando o papel do objeto massivo central. Numa escala espacial de aproximadamente 10 parsec, realizamos um estudo para identificar contrapartidas infravermelhas às fontes de raios-X do satélite Chandra. Para as fontes com observações em mais de uma época, procuramos identificar objetos variáveis. Entre os objetos de especial interesse para estudos futuros mais detalhados, estão os candidatos a serem variáveis cataclísmicas.
Topo     
SEMINARISTA: Roberto Cid Fernandes Junior - UFSC
DATA: 29/06/2006
LOCAL: Auditório LIT
HORA: 15h

TITULO: Paleontologia de Galaxias: Recuperando a historia de formacao estelar em galaxias atraves de sintese espectral

RESUMO: The combination of huge databases of galaxy spectra and state-of-the-art evolutionary population synthesis models offers promising prospects for the study of galactic histories. We have developed a code which fits the full optical spectrum of a galaxy by combining a series of instantaneous bursts of various ages and metallicities. Applications of this method have taught us that, besides producing superb fits to the data, it produces astrophysically sound results, such as correlations between stellar and nebular extinctions and metallicities, mean stellar age and observables like the equivalent width of Ha and the 4000 Angs break, stellar mass and velocity dispersion, the mass-metallicity relation, etc. In this seminar I will (1) review the method, (2) summarize some of our already published results, and (3) present a preliminary study of the detailed star formation histories recovered by the spectral synthesis of over 364234 galaxies from the SDSS.
Topo     
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE
Av. dos Astronautas,1.758 - Jd. Granja - CEP 12227-010 - Sao José dos Campos - SP - Brasil
Copyright 2014 © INPE/DAS - Todos os direitos reservados.